quarta-feira, outubro 11, 2006

A nova geração

Sempre gostei de escrever minimamente bem, apesar de achar que nunca tive jeito. Apesar disso, a minha formação de frases, a pontuação, a ortografia, sempre foram coisas elogiadas pelos meus professores.

Tenho 25 anos. Não me considero nenhum velhote, apesar de saber que não caminho para novo. No entanto, sou de uma geração que se lembra como era o mundo ainda sem computadores.
Comecei a usar computadores talvez a partir dos 12, 13 anos. Rapidamente me adaptei ao novo brinquedo e sempre que era necessário para trabalhos da escola oferecia-me sempre para os passar a computador.
Escrevi sempre bastante rápido e, modéstia à parte, ainda não encontrei ninguém que escrevesse tão rápido como eu. Quando digo escrever, é mesmo escrever. Tal e qual como vêem estas palavras que estão a ler neste momento. Mesmo com o aparecimento do messenger e as salas de chat, continuei a escrever normalmente. Não havia razão para mudar.

Hoje em dia, a nova geração apresenta-se com uma nova "escrita". Abreviar e abreviar é o lema. Para quê, pergunto eu? Para ser mais rápido? Será que se se habituarem a escrever direito, ao fim de algum tempo, não escreverão mais rápido também? Porque ao fim ao cabo, para escrever por abreviaturas é também necessário "treino". Não se consegue escrever rápido por abreviaturas do dia para a noite.
No entanto, nem sempre só de abreviar se trata. Frequentemente vê-se trocas do "e" pelo "i" ou "o" pelo "u". Qual é o objectivo? Inventar uma nova língua? Ridículo.

É que depois levantam-se outras questões. Será que os jovens, ao utilizarem tal escrita, não vão desaprender a escrever português?

4 comentários:

Gisela disse...

Acho que é um meio de esconder a incapacidade de escrever correctamente. A mim irmã escreve por código e não acho que escreva mais rápido do que eu. Além disso, quem está a ler terá mais dificulades em perceber pelo que quanto mais depressa mais devagar!

Pedro Fonseca disse...

"quem está a ler terá mais dificulades em perceber pelo que quanto mais depressa mais devagar"

Realmente é bem verdade

Gisela disse...

Estás a criticar o meu "dificulades". Olha que tu!...

Pedro Fonseca disse...

Oopssss ehehehe