quinta-feira, janeiro 14, 2010

Cinema: semana de 07/01 a 13/01

Esta semana fui ver "Duas Amas de Gravata", "Ouviste Falar dos Morgans?" e "A Estrada".

"Duas Amas de Gravata" é uma comédia com John Travolta e Robin Williams nos papéis principais.
A história de dois grandes amigos, um azarado, divorciado e apaixonado (Robin Williams) e o outro um solteirão convicto (John Travolta). Ambos vêm as suas vidas viradas do avesso quando precisam de tomar conta de um par de gémeos de 6 anos, enquanto fecham o maior negócio das suas vidas profissionais.
Apesar de ter uma ou duas cenas com bastante piada, o filme é bastante fraco. Robin Williams não sabe o que é representar mal mas John Travolta tem uma interpretação muito, muito fraca. O argumento do filme é bastante mau, assim como a realização. De qualquer forma, o filme consegue entreter, especialmente os mais pequenos.
Classificação: 6

"Ouviste Falar dos Morgans?" é uma comédia romântica com Hugh Grant e Sarah Jessica Parker nos papéis principais.
Paul Morgan quer salvar o seu casamento. A sua mulher, Meryl, recusou todas as tentativas de reavivar a relação e o casal parece condenado, até uma noite em que testemunharam um homicídio. Os Morgans são forçados pelo Governo a mudarem as suas identidades e a serem protegidos juntos, fugindo de Manhattan, rumo às populações rurais fora da cidade. Quando Paul pensava que não tinha mais opções, esta situação pode ser a última oportunidade de manter o seu relacionamento.
Hugh Grant está de volta aos papéis que lhe são mais familiares. Desta vez, e pela primeira vez, tem como parceira Sarah Jessica Parker e, pode-se dizer, o par não resultou mal. Hugh Grant foi igual a si próprio, com a piada inteligente sempre pronta, daquela forma tipicamente britânica de a dizer, como ele tão bem o sabe fazer. Sarah Jessica Parker esteve mais discreta mas nem por isso pior. Relativamente ao argumento do filme, o que se pode dizer é que é completamente banal mas, apesar disso, o filme é bastante agradável de se ver.
Classificação: 7

"A Estrada" é um drama com Viggo Mortensen e Kodi Smit-McPhee nos principais papéis.
Um conto épico, pós apocalíptico, de sobrevivência de um pai e do seu filho pequeno à medida que eles atravessam uma América árida, destruída por um misterioso cataclismo. O filme imagina um futuro no qual os homens são empurrados para o pior e o melhor de que são capazes - um futuro onde o pai e o seu filho são sustentados pelo amor que os une.
Neste retracto de uma situação pós-apocalíptica pudemos assistir a mais uma grande interpretação de Viggo Mortensen e um interpretação segura de Kodi Smit-McPhee e pouco mais. O argumento é bastante fraco. Durante o filme não se passa quase nada de interesse para além da forte carga dramática que tentaram impor em algumas cenas. Tentaram mas nem por isso conseguiram. Passei o filme todo à espera de algo interessante que fizesse o filme arrancar de vez, mas esse momento nunca chegou a acontecer. Quando chegou o fim do filme eu pensava que não podia ser o fim. Tinha que haver mais qualquer coisa. Mas não. Era apenas aquilo. Muito pouco para um filme que pretendia ser muito. Muito, só apenas nas interpretações dos dois protagonistas.
Classificação: 6

Hoje estreiam 4 filmes:
  • "Nove", um musical que conta com a participação de Daniel Day-Lewis, Marion Cotillard, Penélope Cruz, Nicole Kidman, Judi Dench, Kate Hudson, Sophia Loren, entre outros.
  • "Parceiros no Crime", um thriller com Morgan Freeman e Antonio Banderas nos papéis principais.
  • "O Laço Branco", um drama de produção austríaca, alemã, francesa e italiana.
  • "Estilhaços de Medo", um drama de terror de produção inglesa e francesa.

O destaque da semana vai para o musical. Promete algumas nomeações para os óscares mas, infelizmente, pelo menos esta semana, não veio para Braga.

Bom cinema ;)

3 comentários:

Pedro R disse...

em relação à estrada tenho um desafio: lê o livro, vale muito a pena. e não acontece nada? olha que acontece, é uma das histórias de amor mais fortes levadas ao cinema neste últimos tempos e toda a acção movimenta-se belíssimamente em torno daquele amor faternal. so lendo o livro é que se compreende o verdadeiro significado da história. està lançado o desafio. cumprimentos

Pedro Fonseca disse...

Obrigado pelo desafio, mas não me costumo interessar muito por histórias de amor.

Independentemente disso, eu apenas fiz um comentário ao filme. E quando faço comentários aos filmes faço, efectivamente, comentários apenas ao filmes.

No filme não se tem noção de um amor assim tão forte como dizes. Mas mesmo que se tivesse, não me parece que isso seja uma coisa muito interessante para acontecer num filme, num cinema, uma vez que normalmente quando vou ao cinema procuro é entretenimento...

Pedro R disse...

Este não é um filme de entretenimento a meu ver, ai compreendo-te. E o livro também não é uma história de amor banal, nunca cai na lamechice, pelo contrário é um livro bastante cruel e violento. E o livro que se via inadaptável tornou-se numa adaptação bastante interessante, mas lá está é um filme para se ver com olhos de ver, nunca com o propósito de entreter.