quinta-feira, dezembro 18, 2008

Cinema: semana de 11/12 a 17/12

Esta semana fui ver 3 filmes! São eles: "Bolt", "O Corpo da Mentira" e "Ensaio Sobre a Cegueira".

"Bolt" é um filme de animação com John Travolta na voz de Bolt, na versão original. Eu fui ver a versão portuguesa a 3 dimensões.
Para o Super-Cão Bolt, todos os dias são aventura, perigo e intriga - pelo menos até as câmaras se desligarem. Quando a estrela canina do programa de TV de sucesso é acidentalmente enviada, do seu palco em Hollywood, para a cidade de Nova York, Bolt inicia a sua maior aventura de sempre - uma viagem pelo país real até reencontrar a sua dona e co-protagonista, Penny. Armado apenas com a ilusão de que os seus feitos e poderes são reais, e com a ajuda dos dois mais improváveis companheiros de viagem - um aborrecido e abandonado gato doméstico chamado Mittens, e um hamster - numa bola de plástico - obcecado por TV chamado Rhino - Bolt descobre que ele não precisa de super-poderes para ser um herói.
Apesar de não ter havido, este ano, grandes filmes de animação, este é, sem dúvida, um dos melhores. O argumento está bastante bom, com cenas deliciosas para os mais miúdos, e piadas muito bem conseguidas para os mais crescidos. Eu assisti a este filme em 3D, mas de 3D não tinha nada. Não vi um único efeito especial a 3 dimensões, o que é de lamentar. De qualquer forma, o filme está bastante bom e mesmo as vozes portuguesas portaram-se bem.
Classificação: 7

"O Corpo da Mentira" é um thriller com Leonardo DiCaprio e Russell Crowe nos principais papéis.
Roger Ferris (DiCaprio) é o melhor operacional que a CIA tem no terreno, em lugares onde a vida humana só tem o valor da informação que pode transmitir. O sucesso das suas missões e da própria vida de Ferris está muitas vezes dependente da voz com que comunica numa linha segura da CIA, o veterano Ed Hoffman (Crowe). Agora, que se encontra no rasto de um líder terrorista que orquestrou uma série de bombardeamentos, Ferris questiona se os seus aliados não irão interferir na operação e pôr a sua vida em risco.
O filme tem, sem dúvida, uma boa realização e grandes actores. Russell Crowe e, especialmente, Leonardo DiCaprio têm mais uma excelente interpretação. O argumento está razoável. Penso que o grande problema está na sua duração excessiva. Muitas das cenas podiam ter sido retiradas do filme pois não acrescentavam nada à história. Penso que as personagens não foram bem exploradas e não lhes quiseram dar futuro. O filme corre a um ritmo aceitável, embora por vezes merecesse um pouco mais de acção. De qualquer forma, é um filme de boa qualidade que com um pouco mais de acção e rapidez na evolução da história poderia ser bem melhor.
Classificação: 7

"Ensaio Sobre a Cegueira" é um thriller com Julianne Moore e Mark Ruffalo nos principais papéis e Alice Braga e Danny Glover em papéis mais secundários.
Uma cidade é devastada por uma epidemia instantânea de "cegueira branca". Face a este surto misterioso, os primeiros indivíduos a serem infectados são colocados pelas autoridades governamentais em quarentena, num hospital abandonado. Cada dia que passa aparecem mais pacientes, e esta recém-criada "sociedade de cegos" entra em colapso. Tudo piora quando um grupo de criminosos, mais poderoso fisicamente, se sobrepõe aos fracos, racionando-lhes a comida e cometendo actos horríveis. Há, porém, uma testemunha ocular a este pesadelo: uma mulher, cuja visão não foi afectada por esta praga, que acompanha o seu marido cego para o asilo. Ali, mantendo o seu segredo, ela guia sete desconhecidos que se tornam, na sua essência, numa família. Ela leva-os para fora da quarentena em direcção às ruas deprimentes da cidade, que viram todos os vestígios de uma civilização entrar em colapso. A viagem destes é plena de perigos, mas a mulher guia-os numa luta contra os piores desejos e fraquezas da raça humana, abrindo-lhes a porta para um novo mundo de esperança, onde a sua sobrevivência e redenção final reflectem a tenacidade do espírito humano.
Sem conhecer a história, passei quase todo o filme entusiasmado à espera que fosse acontecer algo de excepcional. Uma altura em que se desvendasse todo o mistério à volta da doença e todo o mistério à volta da imunidade da actriz principal. Mas nada aconteceu. O entusiasmo foi até ao fim que, logo de seguida, deu lugar a desilusão. Até os vários falhanços registados ao longo do filme (que foram mesmo vários) foram minimizados pelo tal entusiasmo. No entanto, após o final, é incompreensível aceitar os tais falhanços ao longo de todo o filme. Serão falhanços da história de Saramago ou apenas de Fernando Meirelles? Não posso dizer porque não li o livro. De qualquer forma, e apesar dos vários falhanços da história, tem que se destacar o magnífico papel de Julianne Moore. Grande interpretação por parte desta grande actriz. Terá aqui talvez o melhor papel de sempre. Mark Ruffalo, Danny Glover e mesmo a sobrinha de Sónia Braga, Alice Braga, têm aqui também uma boa interpretação. Em suma, uma história empolgante mas que não encontrou um final à altura. Várias incongruências ao longo filme conseguem, de alguma forma, ser encobertos pelo brilhantismo dos actores, especialmente de Julianne Moore. No entanto, exigia-se muito mais a este filme.
Classificação: 6

Hoje estreiam 5 filmes:
  • "A Lenda de Despereaux", um filme de animação da Universal Pictures.
  • "Mulheres!", uma comédia com Meg Ryan no papel principal.
  • "Caos Calmo", um drama romântico italiano com coprodução inglesa.
  • "Filho de Rambow - Um Novo Herói", uma comédia inglesa com coprodução francesa.
  • "O Silêncio de Lorna", um drama de produção belga, francesa, italiana e alemã.

A estreia da semana penso ser o filme "Mulheres!". Reúne um elenco (de mulheres) bastante interessante e interessante também parece ser o filme. Mas para já não veio para Braga...

Bom cinema ;)

3 comentários:

osborne cox unknown daughter disse...

Reparei que é quem faz as criticas no site da cinemax.
Tem, assim só por acaso, alguma formação na area de cinema?

cheers!

Pedro Fonseca disse...

Como se deve ver pelo conteúdo dos meus comentários, não. Não tenho absolutamente nenhuma formação na área de cinema nem tão pouco tenho jeito para escrever.
Simplesmente adoro cinema e gosto de fazer comentários aos filmes que vejo.

osborne cox unknown daughter disse...

deu pra ver sim senhoras, mas gosto sempre de me certificar.

Assim sendo, já nao está cá quem falou.
Cada um tem os seus padrões e o seu olho clínico para a arte cinematográfica.

cheers!